Stop Saying ‘I Have Ran’

Readers, há muitas coisas loucas, assustadoras e verdadeiramente horríveis a acontecer no mundo neste momento. A Ucrânia é um barril de pólvora que pode incendiar um conflito regional mais amplo — ou mesmo global –; as alterações climáticas ameaçam a nossa própria existência; e a nação ainda está a cambalear devido à falta de cal.

Também, as pessoas continuam a usar a frase “Eu fugi”

Eu sei. Eu disse-vos que era horrível.

Aqui estão apenas alguns exemplos recentes deste assalto à nossa língua, via Google:

  • A Barragem para Barragem é a minha raça favorita. Já a corri e completei duas vezes e não corri o ano passado.
  • “Corri os 100 desde que estava no sétimo ano”, disse.
  • “De todas as meias-maratonas que corri, esta foi a mais divertida”
  • Agora corri 10k em várias ocasiões, mas normalmente em estradas mais planas, e pistas de campo.
  • Já corri bastantes corridas e gosto de fazer 5Ks em pequenas cidades.
  • “Já corri nesta corrida durante os três anos, estamos realmente ansiosos por vir aqui”, disse .

Odeio isto… Tão… É… É… Chama. Chamas. Chamas, do lado do meu rosto…

Quão difundido é este flagelo? De acordo com o Conselho Mundial de Gramática, um grupo de cães de guarda sediado em Genebra, em qualquer dia, “mais de meio milhão de pessoas a nível mundial pode estar a proferir ou a escrever a frase ‘Eu fugi’ ou ‘Eu fugi’. Normalmente no Facebook, e muitas vezes em conjunto com a palavra definitivamente”.

Não compreendo como isto pode ser. “Já corri” , da forma como certas outras frases gramaticalmente incorrectas podem ser. Não é assim tão complicado.

Se quiser ver, aqui está uma completa quebra do verbo correr. (E quero mesmo dizer “completo”, até e incluindo o futuro condicional perfeito). Mas 99% do tempo, aqui está tudo o que precisa de recordar:

Correr maratonas, porque eu sou masoquista. (Presente tenso.)

Ontem corri uma maratona, e é por isso que vou de elevador para o segundo andar. (Pretérito.)

Tinha corrido uma maratona de 20 camiões no dia anterior à maratona, porque, mais uma vez, sou masoquista. (Passado pretérito pluperfeito.)

Fiz maratonas em todos os 50 estados, porque sou masoquista que é casado com uma hospedeira de bordo, por isso voo livre. (Presente tempo perfeito.)

É isso mesmo. Simples. E aqui está uma versão ainda mais simples:

Jamais, jamais, digam ou escrevam “Eu corri”.

Nunca. Nunca. Porque nunca, nunca é correcto. E sempre que se usa essa frase, uma lontra bebé é abandonada pela sua mãe. Realmente.

Por favor, amigos. Se não for por mim, façam-no por Molalla.

Mark RemyMark Remy está na Runner’s World desde Janeiro de 2007 – desde os primeiros 5 ½ anos como editor executivo da RunnersWorld.com, e actualmente como escritor em geral.
Este conteúdo é criado e mantido por um terceiro, e importado para esta página para ajudar os utilizadores a fornecer os seus endereços de correio electrónico. Poderá encontrar mais informações sobre este e conteúdos semelhantes em piano.io

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *